OCUPAÇÃO AI-5 – debate-papo no Arena

Publicado em Encontros abertos | Com a tag , | Comentários desativados em OCUPAÇÃO AI-5 – debate-papo no Arena

UM ELEFANTE NO CAOS – leitura dramática no Feijão

Publicado em Geral | Com a tag , , | Comentários desativados em UM ELEFANTE NO CAOS – leitura dramática no Feijão

BAILEI NA CURVA – leitura dramática no Feijão

Publicado em Geral | Com a tag , | Comentários desativados em BAILEI NA CURVA – leitura dramática no Feijão

1989 no Feijão

Recebemos em setembro em nosso espaço o Coletivo Cê, de Votorantim, para duas únicas apresentações de seu espetáculo 1989.

A peça acompanha o cotidiano de uma típica família interiorana do ano de 1989, em frente à televisão, durante a primeira eleição direta para presidente, pós ditadura militar. Através da programação original da época, que conduz a trama, a obra propõe um mergulho lúdico no tempo para refletir sobre os dias atuais.

  • Direção: Júlio Mello
  • Direção Administrativa e Produção Executiva: Andressa Moreira
  • Intérpretes Criadores: Bruna Moscatelli, Eliane Ribeiro, Hércules Soares e Júlio Mello
  • Cenografia: Jaime Pinheiro
  • Figurino: Felipe Cruz
  • Maquiagem: Sam Alex
  • Iluminação: Maurício Matos Caetano
  • Dramaturgia Sonora: Júlio Mello
  • Gramática Gestual: Thiago Alixandre
  • Apresentações: 7 e 8 de setembro, sábado às 21h e domingo às 19h
  • Ingressos: $ 30 e $ 15
  • Classificação: 14 anos
  • Onde: Companhia do Feijão – R. Dr. Teodoro Baima 68 – República
Publicado em Espetáculos | Com a tag , , | Comentários desativados em 1989 no Feijão

CABARÉ COLISEU no Sesc São José dos Campos

Realizamos no feriado de 7 de setembro uma única apresentação de nosso mais recente espetáculo, Cabaré Coliseu, no Sesc São José dos Campos.

O espetáculo se desenvolve em formato de cabaré.

Em sua primeira parte – intitulada Cabaré Imaginário – vemos números que trazem para a cena, na forma narrativa, discussões sobre questões humanas primordiais: as relações entre pessoas de uma mesma sociedade, entre grupos sociais menores e de uma pessoa consigo mesma.

E, na segunda – intitulada Cabaré Concreto –, os números se sucedem para contar a história da uma mulher-brasileira-pobre chamada Martinha. Inspirada na personagem central da crônica O punhal de Martinha, de Machado de Assis, e em Jenny dos Piratas, retratada na Ópera dos três vinténs por Bertolt Brecht, a Martinha de Cabaré Coliseu se vê envolvida num caso de assassinato de uma celebridade midiática artística, do qual é acusada. E a sequência dos números vai mostrar – em vários estilos teatrais – sua trajetória para tentar livrar-se da acusação e da manipulação midiático-jurídica do caso.

Neste percurso, esta mulher-trabalhadora-pobre tem seus princípios postos à prova ao ser confrontada com diversos modos de dominação morais, sociais e econômicos vigentes na sociedade brasileira contemporânea, na qual precisa sobreviver e da qual torna-se uma notícia, ou seja, um produto a ser explorado.

Um tema bastante apropriado para os dias de hoje!

  • Texto e Direção: Pedro Pires
  • Em cena: Eduardo Schlindwein, Eugenia Cecchini e Zernesto Pessoa
  • Cenário: Pedro Pires
  • Figurinos: Silvana Marcondes
  • Iluminação: Pedro Pires e Zernesto Pessoa
  • Sonoplastia: Pedro Semeghini
  • Fotos e vídeo: Alan Siqueira
  • Duração: 75’
  • Classificação etária indicativa: 12 anos
  • Quando: 7 de setembro, sábado às 20h
  • Ingressos: $ 17 / $ 8,50 / $ 5
  • Onde: Sesc São José dos Campos – Avenida Adhemar de Barros 999, Jardim São Dimas – São José dos Campos – SP
Publicado em Espetáculos | Com a tag , | Comentários desativados em CABARÉ COLISEU no Sesc São José dos Campos

CABARÉ COLISEU – curtíssima temporada no Feijão

Realizamos no final de agosto e início de setembro 4 únicas apresentações de nosso mais recente espetáculo, Cabaré Coliseu.

O espetáculo se desenvolve em formato de cabaré.

Em sua primeira parte – intitulada Cabaré Imaginário – vemos números que trazem para a cena, na forma narrativa, discussões sobre questões humanas primordiais: as relações entre pessoas de uma mesma sociedade, entre grupos sociais menores e de uma pessoa consigo mesma.

E, na segunda – intitulada Cabaré Concreto –, os números se sucedem para contar a história da uma mulher-brasileira-pobre chamada Martinha. Inspirada na personagem central da crônica O punhal de Martinha, de Machado de Assis, e em Jenny dos Piratas, retratada na Ópera dos três vinténs por Bertolt Brecht, a Martinha de Cabaré Coliseu se vê envolvida num caso de assassinato de uma celebridade midiática artística, do qual é acusada. E a sequência dos números vai mostrar – em vários estilos teatrais – sua trajetória para tentar livrar-se da acusação e da manipulação midiático-jurídica do caso.

Neste percurso, esta mulher-trabalhadora-pobre tem seus princípios postos à prova ao ser confrontada com diversos modos de dominação morais, sociais e econômicos vigentes na sociedade brasileira contemporânea, na qual precisa sobreviver e da qual torna-se uma notícia, ou seja, um produto a ser explorado.

Um tema bastante apropriado para os dias de hoje!

  • Texto e Direção: Pedro Pires
  • Em cena: Eduardo Schlindwein, Eugenia Cecchini e Zernesto Pessoa
  • Cenário: Pedro Pires
  • Figurinos: Silvana Marcondes
  • Iluminação: Pedro Pires e Zernesto Pessoa
  • Sonoplastia: Pedro Semeghini
  • Fotos e vídeo: Alan Siqueira
  • Duração: 75’
  • Classificação etária indicativa: 12 anos
  • Quando: 24, 25 e 31 de agosto e 1º de setembro, sábados às 21h e domingos às 19h
  • Onde: Companhia do Feijão – R. Dr. Teodoro Baima 68
  • Ingressos: $ 30 / $ 15 / $ 10 (ingresso amigo)
  • Realização: Companhia do Feijão
Publicado em Espetáculos | Com a tag , | Comentários desativados em CABARÉ COLISEU – curtíssima temporada no Feijão

CABARÉ COLISEU na Jornada do Patrimônio

Na condição de grupo registrado como Patrimônio Imaterial de São Paulo, participamos no dia 17 de agosto da Jornada do Patrimônio – Memória Paulistana 2019 com uma apresentação especial de nosso mais recente espetáculo, Cabaré Coliseu. Ingressos para a metade da lotação (30 lugares) serão distribuídos gratuitamente com 1 hora de antecedência.

Sinopse

O espetáculo se desenvolve em formato de cabaré.

Em sua primeira parte – intitulada Cabaré Imaginário – vemos números que trazem para a cena, na forma narrativa, discussões sobre questões humanas primordiais: as relações entre pessoas de uma mesma sociedade, entre grupos sociais menores e de uma pessoa consigo mesma.

E, na segunda – intitulada Cabaré Concreto –, os números se sucedem para contar a história da uma mulher-brasileira-pobre chamada Martinha. Inspirada na personagem central da crônica O punhal de Martinha, de Machado de Assis, e em Jenny dos Piratas, retratada na Ópera dos três vinténs por Bertolt Brecht, a Martinha de Cabaré Coliseu se vê envolvida num caso de assassinato de uma celebridade midiática artística, do qual é acusada. E a sequência dos números vai mostrar – em vários estilos teatrais – sua trajetória para tentar livrar-se da acusação e da manipulação midiático-jurídica do caso.

Neste percurso, esta mulher-trabalhadora-pobre tem seus princípios postos à prova ao ser confrontada com diversos modos de dominação morais, sociais e econômicos vigentes na sociedade brasileira contemporânea, na qual precisa sobreviver e da qual torna-se uma notícia, ou seja, um produto a ser explorado.

Um tema bastante apropriado para os dias de hoje!

  • Texto e Direção: Pedro Pires
  • Em cena: Eduardo Schlindwein, Eugenia Cecchini e Zernesto Pessoa
  • Cenário: Pedro Pires
  • Figurinos: Silvana Marcondes
  • Iluminação: Pedro Pires e Zernesto Pessoa
  • Sonoplastia: Pedro Semeghini
  • Fotos e vídeo: Alan Siqueira
  • Duração: 75’
  • Classificação etária indicativa: 12 anos
  • Quando: 17 de agosto, sábado às 21h
  • Onde: Companhia do Feijão – R. Dr. Teodoro Baima 68
  • Ingressos: $ 40 / $ 20 / $ 10 (ingresso amigo) – 30 INGRESSOS GRATUITOS por ordem de chegada a partir das 20h

Informações completas sobre a Jornada do Patrimônio em www.jornadasp.com .

Publicado em Espetáculos, Geral | Com a tag , , | Comentários desativados em CABARÉ COLISEU na Jornada do Patrimônio

DAtCHAU – Rumo à Estação GrandeAvenida no Engenho Teatral

Realizamos em agosto 2 únicas apresentações de nosso espetáculo DaTchau – rumo à estação GrandeAvenida na Mostra Engenho Mostra um Pouco do Que Gosta, na sede do Engenho Teatral em São Paulo.

Sinopse: Uma pessoa (de classe média) tenta escrever uma narrativa que dê conta dos tempos sombrios que está vivendo. Nesta tentativa ela sonha que um dia acorda indignada com o estado das coisas. E, no sonho, esta indignação a leva para a rua – para protestar. No início sozinha, depois coletivamente, em harmonia com outros indignados, toma um trem de metrô cujo destino é a estação GrandeAvenida, para onde está marcada uma grande manifestação. Durante a viagem as diferenças do coletivo indignado assumem o protagonismo, atiçam raivas e ódios e se transformam em conflitos oníricos. O sonho se transforma em pesadelo. E o destino final desta viagem será o do encarceramento deste coletivo num campo de trabalhos forçados.

Motivo inspirador do título: o Campo de Dachau

Dachau foi o primeiro campo de concentração regular para prisioneiros políticos assentado pelo governo Nacional Socialista, isto é, nazista, em 1933, no sul da Alemanha.  A organização e rotina deste campo tornaram-se modelo para todos os que viriam depois.

Inicialmente, os internos eram alemães comunistas, socialdemocratas, sindicalistas e outros adversários políticos do regime nazista. Com o passar do tempo, outros grupos também foram encarcerados em Dachau, entre eles ciganos, homossexuais, Testemunhas de Jeová e aqueles considerados “associais”, além de criminosos contumazes. Durante os primeiros anos relativamente poucos judeus estiveram presos ali, com exceção dos que pertenciam a uma das categorias mencionadas – realidade posteriormente invertida com o aumento da perseguição antissemita.

O processo de degradação tinha início já na sala de registro dos prisioneiros recém-chegados, em cujo teto foi pintado em letras grandes: Há um caminho para a liberdade. Suas balizas são: Obediência, Honestidade, Asseio, Sobriedade, Trabalho Duro, Disciplina, Sacrifício, Autenticidade, Amor à Pátria.

O número de prisioneiros em Dachau, de 1933 a 1945, ultrapassou os 188 mil e provavelmente nunca se saberá ao certo o número total de suas vítimas fatais. Como em todos os campos de concentração nazistas, em seu portão de entrada um entalhe em letras de ferro afirmava: O TRABALHO LIBERTA.

  • Texto e Direção: Pedro Pires
  • Em cena: Eduardo Shlindwein, Fernanda Rapisarda, Guto Togniazzolo, Marcos Coin, Vera Lamy e Zernesto Pessoa
  • Direção Musical: Marcos Coin
  • Cenografia: Pedro Pires
  • Figurinos: Guto Togniazzolo e Arieli Marcondes
  • Luz: Guilherme Bonfanti
  • Vídeos: Diogo Noventa
  • Projeções: Bruna Lessa e Bruno Carneiro
  • Operação de luz: Pedro Pires
  • Operação de vídeo: Pedro Semeghini
  • Fotos e Vídeo: Cacá Bernardes
  • Produção: Companhia do Feijão
  • Classificação etária indicativa: 12 anos
  • Duração: 70 minutos
  • Onde: Engenho Teatral – R. Monte Serrat 120 (ao lado do Metrô Carrão) – (11) 96888-7748
  • Ingressos: gratuitos
Publicado em Espetáculos | Com a tag , , | Comentários desativados em DAtCHAU – Rumo à Estação GrandeAvenida no Engenho Teatral

MATO CHEIO no Feijão

Recebemos em agosto para 4 apresentações a o espetáculo Mato Cheio, com o grupo Carcaça de Poéticas Negras.

Livremente inspirado pelo mito popular dxs escravizadxs que fugiam pelas linhas férreas em direção ao mar, passando pela Casa da Ressaca – quilombo de passagem do começo do século XIX – até chegar aos quilombos da cidade de Santos, no litoral sul de São Paulo. Gasta-Botas, Salgada e Ninguém de Oliveira Neta dividem o mesmo corpo-imagético. Uma personagem vista de três perspectivas diferentes que caminha em busca de si e do lugar que ocupa. Elxs anseiam em chegar ao mar, numa tentativa de reformar o passado, tragar o presente e construir outra possibilidade de futuro. Mobilizados pela personagem Fogo, traduzido por Picita: mulher negra, não-ficcional, fato que a história pretende apagar. A dramaturgia propõe um olhar para o corpo negro em deslocamento pela cidade e o genocídio e etnocentrismo construído e propagado na época da escravatura até os dias de hoje. Ficção, mito e depoimentos pessoais compõem o tecido poético-performático-narrativo da obra.

  • Direção geral: Ivy Souza
  • Dramaturgia geral e Direção de movimento: Jhonny Salaberg
  • Dramaturgia documental: Isamara Castilho, Patrick Carvalho e Priscila Guedes
  • Elenco: Anderson Sales, Isamara Castilho, Patrick Carvalho e Priscila Guedes
  • Preparação corporal: Ana Beatriz Almeida
  • Provocadores de processo: Diogo Granato, Lenna Bahule, Patricia Gifford e Salloma Salomão
  • Cenografia e Figurino: Eliseu Weide
  • Criação de luz: Dida Genofre
  • Operação de luz: Dida Genofre e Vanessa Lemes
  • Trilha sonora: Anderson Sales e Jess Montenegro
  • Músicas: DKVPZ e Isabel Tavares
  • Artista gráfico: Murilo Thaveira
  • Foto: Filipe Ramos
  • Produção geral e realização: Carcaça de Poéticas Negras
  • Temporada: 3 a 11 de agosto, sábados às 21h e domingos às 19h
  • Ingressos: $ 30 (inteira) $ 15 (meia) e $ 10 (convite amigo)
  • Duração: 90 minutos
  • Classificação indicativa: 12 anos
  • Onde: Companhia do Feijão – R. Dr. Teodoro Baima 68 – República
  • Ao final de cada sessão, haverá a venda do livro “Mato Cheio” da Carcaça de Poéticas Negras.
Publicado em Espetáculos | Com a tag , , | Comentários desativados em MATO CHEIO no Feijão

MANUELA – último dia no Feijão

Realizamos em julho 4 únicas apresentações de nosso espetáculo Manuela.

Manuela é uma história de amizade entre o escritor e sua máquina de escrever. É o nome dado por Mário de Andrade à sua máquina em homenagem ao escritor e amigo Manuel Bandeira. Em meio a reflexões de companheira, a narrativa se dá do ponto de vista da máquina, que conta quem foi esse brasileiro morador da rua Lopes Chaves através de sua poesia e correspondência intensas.

  • Concepção e dramaturgia: Vera Lamy
  • Direção musical e trilha original: Lincoln Antonio
  • Em cena: Vera Lamy e Lincoln Antonio
  • Cenografia: Pedro Pires
  • Figurino: Anahí Asa
  • Luz: Zernesto Pessoa e Rafael Araújo
  • quando: 8 a 29 de julho, segundas às 21h
  • ingresso: $ 30 e $ 15 – bilheteria aberta 1 hora antes das apresentações
  • onde: Companhia do Feijão – R. Dr. Teodoro Baima 68 – República – acesso a cadeirantes
  • classificação etária indicativa: livre
  • realização: Companhia do Feijão
Publicado em Espetáculos | Com a tag , | Comentários desativados em MANUELA – último dia no Feijão