armadilhas brasileiras (2013)

  • Seleção Pública Petrobras Cultural                                                             

espetáculo fora de repertório

Armadilhas Brasileiras - foto de José Romero (8)_bxDécimo-primeiro espetáculo da companhia, Armadilhas brasileiras tem início com um grupo de teatro em trabalho de ensaio de uma peça em estilo épico, cujo pano de fundo é a crise econômica mundial de 1929. A obra ensaiada trata das forças em jogo nesta crise e seu impacto sobre os trabalhadores rurais e portuários brasileiros, protagonistas de uma vitoriosa revolução final. Durante o trabalho, porém, surge entre os artistas um conflito sobre os rumos da história, com questionamentos antagônicos sobre seu conteúdo e as formas de representá-la. O acirramento deste embate leva a um “golpe cênico” que muda o tema e os estilos de representação, trazendo ao foco da discussão o próprio fazer artístico.

O espetáculo é resultante do projeto Armadilhas brasileiras e tem como plataforma as obras Café, O banquete (inacabada) e A meditação sobre o Tietê, de Mário de Andrade, combinadas com trechos inspirados em obras de Bertolt Brecht, Groucho Marx, Machado de Assis, Oswald de Andrade, Samuel Beckett e Vladimir Maiakovski.

Armadilhas brasileiras estreou em 19 de abril de 2013 na sede da Companhia do Feijão em São Paulo, com Fernanda Haucke, Fernanda Rapisarda, Flávio Pires, Guto Togniazzolo e Vera Lamy no elenco; argumento e direção de Pedro Pires; dramaturgia de Pedro Pires e Zernesto Pessoa; direção musical de Flávio Pires e Lucas Vasconcelos; músicas de Lucas Vasconcelos e Companhia do Feijão; cenografia de Fernanda Aloi e Pedro Pires; figurinos de Daniel Infantini e Guto Togniazzolo; iluminação de Pedro Pires e Zernesto Pessoa e vídeos de Leandro Goddinho.

Salvar