BONS DIAS! – últimas apresentações no Feijão

Voltamos em junho ao nosso espaço para 6 últimas apresentações da temporada de estreia de nosso mais recente espetáculo – Bons dias!, fruto de projeto contemplado pela 13a Edição do Prêmio Zé Renato.

SINOPSE

Ao desvendar o lugar em ruínas no qual acaba de despertar, uma pessoa se percebe com a cabeça separada do corpo. Passa então a refletir sobre os tempos atuais, percorrendo situações criadas sobretudo por inspiração da palavra de Machado de Assis.

A partir do diálogo entre linguagens teatrais e musicais, Bons dias! reúne visões diversas a respeito das destruições que hoje enfrentamos. Em trajetória onírica, a narrativa se desenvolve entre o terrível e o sublime, entre a estupidez e a poesia, em busca de frestas que possam iluminar nosso futuro próximo.

DRAMATURGIA

Bons dias! foi escrito como um relato sobre “o Tempo presente, os Homens presentes, a Vida presente” (C. Drummond de Andrade). Sobre os “homens partidos” (idem), a vida partida. Uma vida que estamos a levar, mas que não é digna desse nome. Uma vida carregada de uma sensação de morte, de que não vale mais a pena ser vivida, porque vemos que ao nosso redor tudo está se partindo, se despedaçando.  “…tristeza que timbra um caminho de morte” (Mário de Andrade).

Mas…

Bons dias! também foi escrito como uma tentativa teimosa de não ceder ao estado de guerra e morte que nos encurrala e que, mais ou menos, acaba por influenciar nossos pensamentos e ações.

Como contraponto, Bons dias! foi escrito para valorizar a VIDA, o frágil fio de vida que ainda existe.

Foi escrito com o objetivo de afirmar e reforçar este fio através das falas, dos cantos, dos risos e dos prantos do teatro – a arte presente, do tempo presente, entre pessoas presentes.

ENCENAÇÃO

A reconstrução.

Nesse exato momento na Terra, proclamar a palavra reconstrução revela o  tempo presente que desabou, que impossibilitou e tristemente adoeceu.

No processo da criação deste espetáculo foi impossível não falar em reconstrução.

E reconstruir não é devolver ao que estava, é reerguer da experiência e utilizá-la para o embate insistente da desesperança.

Teatro não lida com experiências impossíveis, aqui acumulam-se possibilidades de sonhar, lugar de tentativas e estudo, lugar de bulir com a existência. “E até de pedra falar.”

É dessa matéria viva que pensamos o que dizer e como dizer. Nós, Companhia do Feijão, somos sempre  o mesmo tema e a mesma maneira de criar, procurando no acúmulo de nossos passos o resultado íntegro, integral, inteiro e possível para cada trabalho que nasce.

Para a encenação de Bons dias! a narrativa parte do acordo entre a palavra dita e a palavra entoada; na cena um lugar em ruínas mas, como em todos os teatros, pronto pra despertar. Evocando o encontro mais que esperado com a plateia. “Pra pensarmos o que anda acontecendo conosco, humanidade, nestes nossos tempos.”

FICHA TÉCNICA

  • Materiais de base: Bons dias! (crônica de 27/05/1888) e O segredo do bonzo (conto de 1882), ambos de Machado de Assis, além de materiais oriundos de estudos e experimentações realizados pelo núcleo artístico da companhia durante o período de reclusão devido à pandemia.
  • CRIAÇÃO – Direção, Dramaturgia, Atuação: Eduardo Schlindwein, Eugenia Cecchini, Pedro Pires, Pedro Semeghini, Vera Lamy e Zernesto Pessoa
  • Em cena: Eduardo Schlindwein, Eugenia Cecchini, Felipe Trovareli, Marcos Coin, Pedro Semeghini, Talita del Collado, Vera Lamy e Zernesto Pessoa
  • Música original: Jonathan Silva
  • Direção musical: Marcos Coin
  • Cenário: Pedro Pires
  • Figurinos: Silvana Marcondes
  • Luz: Givva
  • Som: Duda Gomes ePedro Semeghini
  • Preparação de movimento: Lucas Vedovoto
  • Fotos: Alan Siqueira e Givva
  • Criação gráfica: Eugenia Cecchini
  • Assistência de figurinos: Bruna Recchia
  • Assistência operacional: Giovanna Pantaleão e Lucas Vedovoto
  • Produção: Companhia do Feijão

SERVIÇO

Últimas apresentações:

  • 14 de junho, terça, às 15h e 17h
  • 15 e 16 de junho, quarta e quinta, às 19h e 21h

Ingressos: GRATUITOS – pelo Sympla – sympla.com.br/produtor/companhiadofeijao

  • Onde: Companhia do Feijão – R. Dr. Teodoro Baima 68 – República
  • Capacidade: 25 lugares – apresentar comprovante de vacina
  • Indicação etária: 10 anos
  • Duração: 50 minutos

“Este projeto foi contemplado pela 13ª Edição do Prêmio Zé Renato — Secretaria Municipal de Cultura”

Esta entrada foi publicada em Espetáculos e marcada com a tag , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.