CONCÍLIO DA DESTRUIÇÃO no Feijão

Recebemos em dezembro o espetáculo Concílio da destruição, com a Cia. Les Commediens Tropicales, para apenas 8 apresentações em nossa sede.

Em Concílio da destruição os países não dispunham de mais espaço, seja real ou virtual. A população havia superado sua capacidade criativa e superlotado casas, carros, museus, escolas e computadores com suas obras. Estudar havia se tornado um exercício insuportável. O caos apontava no horizonte quando os homens conseguiram se defender. Era preciso destruir para se ter o direito de criar.

Sétimo espetáculo da Cia. Les Commediens Tropicales, Concílio da destruição parte da premissa que o mundo está superlotado de arte e informações, estudos, ensaios e teses sobre a mesma; e que cada país terá que escolher cinco obras de seus artistas mortos para serem preservadas enquanto todas as outras serão destruídas. A ação se desenrola num país desconhecido onde o Concílio da Destruição está atrasado porque os jurados estão num impasse sobre escolher uma obra cujos artistas foram revolucionários ou condená-los (e sua obra) ao esquecimento.

  • Autor: Carlos Canhameiro
  • Encenação: Cia. Les Commediens Tropicales
  • Provocação cênica: Coletivo Bruto (Paulo Barcellos e Wilson Julião)
  • Elenco: Carlos Canhameiro, Daniel Gonzalez, Paula Mirhan, Rodrigo Bianchini, Rui Barossi e Tetembua Dandara
  • Concepção sonora e Música ao vivo: Rui Barossi
  • Iluminação: Daniel Gonzalez
  • Cenografia: José Valdir
  • Figurino: Carol Ihitz
  • Vídeo: Carlos Canhameiro
  • História em quadrinhos: Eduardo Cole
  • Desenho: Nicholas Maia
  • Produção: Mariana Pessoa
  • Temporada: 8 a 18 de dezembro, de sexta a segunda às 20h
  • Ingressos: grátis – bilheteria aberta uma hora antes das apresentações
  • Duração: 80 minutos
  • Livre para todos os públicos
  • Onde: Companhia do Feijão – R. Dr. Teodoro Baima 68, República – com acesso a cadeirantes
Esta entrada foi publicada em Apresentações artísticas e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.